Mesoterapia e perda de massa gorda

A perda de massa gorda, de uma maneira global, deve-se a um défice da balança energética. Quando gastamos mais calorias do que aquelas que absorvemos, o nosso corpo vai buscar as energias em falta às reservas de gordura.

Assim, só a alimentação equilibrada e o exercício físico provocam um emagrecimento. A mesoterapia não faz emagrecer.

Todavia, esta perda de peso não é homogénea. Todas as pacientes sabem que existem zonas do seu corpo que muito dificilmente irão reduzir de volume. É exatamente a este nível que intervém a Mesoterapia. De facto, esta técnica não emagrece de maneira absoluta mas, se integrada num plano de emagrecimento, reduz os volumes de gordura. A Mesoterapia exerce o seu efeito através de três ações fundamentais: lipolítica, circulatória e drenante.

Ação lipolítica: biologicamente, é chamado lipólise ao resultado da ação de uma enzima localizada no adipócito, a triglicéridolipase, que fragmenta os lípidos em reserva na célula. Os ácidos gordos, assim libertados, saem dos adipócitos. Diversas substâncias utilizadas na Mesoterapia permitem ampliar o fenómeno de lipólise.

Ação microcirculatória: quando o tecido adiposo se hiperatrofia, exerce uma pressão sobre os capilares sanguíneos, levando a uma má oxigenação, à diminuição da comunicação molecular entre o compartimento adiposo e o resto do corpo e à acumulação de toxinas, derivada da atividade celular. A utilização de substâncias vaso-tónicas na Mesoterapia permite estimular esta micro-circulação empobrecida.

Ação drenante: O tecido adiposo exerce também uma pressão no sistema linfático, levando a uma acumulação líquida no espaço extra-celular. Substâncias drenantes, muitas vezes de origem vegetal, podem ser utilizadas.