Tecnologia de frio para destruição adipocitária: a Criolipólise

A criolipólise é um método de tratamento complementar das gorduras localizadas baseado num princípio simples: os adipócitos são particularmente sensíveis a exposição prolongada a uma fonte de frio.

Quando diminuímos a temperatura do tecido adiposo ate 1 ºC, e que a mantemos durante 30 minutos, induzimos nas células desgastes que não as vão destruir imediatamente, mas são bastante graves para desencadear um processo de morte programada chamado apoptose.

Temos detalhado o mecanismo biológico da apoptose no nosso artigo sobre o tratamento não cirúrgico das gorduras localizadas.

A apoptose é uma forma ativa de morte celular, um programa biológico de suicídio, relacionado com estimulações fisiológicas ou patológicas (o termo “apoptose” faz referência à queda programada das folhas, “apo” = afastamento e “ptosis” = queda). Este fenómeno existe fora de qualquer situação patológica. O nosso organismo renova as suas estruturas e sabe provocar a morte de algumas das células para substituí-las por outras mais jovens.

A apoptose pode ser induzida por estímulos diferentes: supressão dos fatores de crescimento, certas hormonas, o choque de temperatura (tanto hipotérmico como hipertérmico), as radiações.

O stress hipotérmico induzido com o aparelho de crioterapia desencadeia nos adipócitos um programa de morte celular que, no final, acabara pela eliminação dos mesmos . Existem maneiras simples de aumentar a eficiência do processo.

A mais poderosa e a injeção previa de fosfatidil colina 5 a 6 dias antes da Criolipólise. A necrose provocada por esta substancia vai aumentar a concentração local de TNF Alfa, potente ativador da apoptose dos adipócitos situados na periferia da zone de necrose. Por tanto, a associação de Criolipólise e de Fosfatidil Colina e um meio eficaz para potenciar os efeitos adipocitólticos de cada um dos tratamentos. Uma sinergia perfeita.

A segunda maneira de aumentar a eficiência e de realizar , logo depois da sessão, uma aplicação de ondas acústicas. E uma combinação que utilizamos sistematicamente na Clínica Thalassa.

A criolipólise e dedicada a pacientes que não tem excesso de peso, mas que querem reduzir o volume duma zona de gordura muito localizada. Não e um tratamento de emagrecimento, mas sim uma maneira de melhorar a “ silhouette”.

Na prática, como se desenrola um tratamento?

A paciente e medida, pesada e fotografada. Depois aplica-se na zona para tratar uma compressa com gel que vai constituir o ponto de contacto entre a pele e o aparelho. Aplicamos depois a cabeça de tratamento: o contacto é mantido por um sistema de aspiração. Nesta altura, a máquina começa a baixar a temperatura ate 1 º C, nível que será mantido durante 30 a 40 minutos. Não é doloroso.

Imediatamente depois, aplicamos ondas acústicas na zona tratada. Fazemos isto de maneira sistemática, obtendo assim o beneficio desta associação.

Existe um protocolo em que injetamos fosfatidil colina na zona selecionada 5 ou 6 dias antes da sessão de crioterapia. O tratamento será assim ainda mais eficiente.

As técnicas de destruição adipocitária sem aspiração constituem uma alternativa válida, progressiva, a lipoaspiração, quando queremos tratar um volume moderado. O princípio de ação é a indução da apoptose celular. A Crioterapia e uma destas técnicas. Pode ser utilizada sozinha, mas será bem mais eficiente quando associada a outros tratamentos da mesma categoria: ondas acústicas, fosfatidil colina, Ultrashape, etc... Os resultados serão visíveis ao final de dois meses.